Caixa busca alternativa para financiar imóvel sem subir juros

Para reagir a um possível esgotamento de sua maior fonte de recursos para crédito imobiliário, a Caixa Econômica Federal estuda alternativas à poupança para o financiamento habitacional.

O presidente da Caixa, Jorge Fontes Hereda, afirmou que o ideal é que a poupança, tradicional fonte de recursos da habitação, não seja a única forma de bancar a compra de imóveis.

“Estamos estudando alternativas. Uma delas é um maior mix de LCI (Letras de Crédito Imobiliário) e poupança”, afirmou ele.

“Se não conseguirmos, os juros vão aumentar”, completou.

Líder no empréstimo para aquisição de imóveis no país, com uma fatia de cerca de 75% do mercado, a Caixa teve crescimento de 48,8% em sua carteira habitacional em comparação ao ano passado, de acordo com o resultado trimestral divulgado nesta quinta-feira.

Até este mês, o banco já concedeu R$ 45 bilhões em empréstimos e prevê atingir R$ 90 bilhões até o final do ano –um aumento de 20% em relação a 2010–, número que foi revisto para cima por conta do crescimento.

Segundo a Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança), de janeiro a junho, R$ 37 bilhões do crédito imobiliário vieram da poupança, o que representou 45% da meta ante 40% em 2010.

Crise

De acordo com Hereda, a Caixa está preparada para aumentar a concessão de crédito. “Temos discutido essa possibilidade nas reuniões do conselho e estamos dispostos a cumprir nosso papel de banco público”, disse.

Durante a crise de 2008, junto com o Banco do Brasil, a Caixa continuaram com o crédito em expansão para estimular a economia. A providência foi adotada a pedido do governo.

Para Hereda, as instituições bancárias privadas erraram a pisar no freio na crise de 2008.

“Eles perderam espaço e a Caixa conseguiu aumentar sua penetração no segmento comercial”, afimou ele.

Minha casa, minha vida

O vice-presidente de Governo da Caixa, José Urbano Duarte, afirmou que o banco está preparado para implementar as mudanças de limite e de faixa salariais que estão sendo discutidas pelo governo logo após elas serem aprovadas.

“Nossos sistemas e simuladores já estão adaptados para essas mudanças quando elas acontecerem”, disse.

Quanto à dificuldade de se encontrar imóveis dentro da faixa de preços estipulada pelo Minha Casa, Minha Vida, Hereda afirmou que o governo precisa se unir.

“Para a maior parte do país, esses recursos são suficientes. Mas, em São Paulo, os terrenos são mais e valorizados. Por isso, há necessidade de as três esferas de governo (municipal, estadual e federal) se unirem”, afirmou.

Via Folha.com

Sobre SeuLarAqui

O novo portal de imóveis, decoração, reforma e serviços do setor imobiliário. Entre, o lar é seu também! www.seularaqui.com.br
Esse post foi publicado em Imóveis, Mercado Imobiliário, Minha Casa Minha Vida e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s